SIMONE DEUTSH DE ALMEIDA COLOMBI

Existem momentos na vida da gente que não gostaríamos de que estivessem acontecendo. Mas eles existem! E procuramos por uma solução! Morava em um belo apartamento, mas não podia ser chamado de lar. Tinha uma familia, mas estavamos cada dia mais distantes! Via meu casamento ruindo diante dos meus olhos e minha filha enlouquecendo, correndo pela casa, aos gritos, com as mãos nos ouvidos, pedindo que a tirássemos de lá! Incontaveis foram as madrugadas que passamos passeando de carro tentando acalmar a Iza! Incontáveis foram as viagens realizadas pelo meu marido para que ficasse longe de mim! E eu, sinceramente, já não esperava mais nada! Quanto caminhei na esperança de encontrar alguém que pudesse me dizer o que acontecia conosco! Foram dias de tormenta! Muitos e muitos! Um dia, uma amiga que tinha onde trabalhava, vendo meu desespero e a vontade de desistir de tudo, contou-me que frequentava um centro de umbanda em Ribeirão e se eu não gostaria que ela levasse uma fotografia nossa com o intuito de nos ajudar! E foi aí que conheci a Tenda de Oxalá! Confesso que fiquei espantada quando vi quem era a Mãe de Santo! Uma mulher pequena, bonita, com feições severas e muito determinada enquanto encorporada! Adorei o que pude presenciar e a forma como fomos recebidos! Alí encontramos ajuda! Passamos os três por tratamento e depois nos tornamos frequentadores da Casa! As coisas começaram a melhorar, lentamente, porem de forma constante! Decidimos nos mudar para Ribeirão Pires e recomeçar nossas vidas! Ficamos felizes porque não estavamos mais sozinhos! Muitos da familia torciam por nosso fracasso! Mas resistimos por anos! E estamos juntos, em uma casa considerada como LAR, e como uma familia unida de verdade! Quanto prazer sinto quando tenho a oportunidade de conversar com as Entidades da Casa! Eu os amo, todos, com a mesma intensidade! Sei que em muitos momentos nos \"carregaram no colo\", nos levantaram e nos deram coragem para insistir! A mensagem era clara \"Não desista\"! E graças a \"pequena gigante\", chamada Vanda Carnavalle, somos hoje pessoas que tem fé, que tem orgulho de pertencer a uma Casa que faz o bem a quem a procura, sem distinção! Sei que não estamos e nem estaremos mais sozinhos! A gratidão que tenho à Vanda e a todos os seus guias é enorme! E o amor também! Agradeço a Oxalá por ter permitido que fossemos guiados à Tenda, conhecer pessoas especiais, e uma moça aparentemente tão fragil, mas de uma coragem e determinação de dar orgulho a qualquer um. Ela é minha Mãe, amiga porque diz o que deve ser dito, carinhosa e sempre disposta a nos ouvir! Ela é meu anjo! Amo você Vanda! Aos meus irmãos um grande abraço e um beijo carinhoso! Francisco, aprendi com você, durante a reforma, a fazer coisas que nunca pensei que fosse capaz de fazer (subir em um andaime, por exemplo!) e confesso que foram dias deliciosos, cansativos mas deliciosos! E faria tudo novamente, se preciso fosse! Afinal, me considero uma Francisquete, com muito orgulho! E amo você também, viu! Beijos. Si